⇒  See the language on the left-hand flag ⇐

Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

ONLINE
2






A UNÇÃO COM ÓLEO HOJE

A UNÇÃO COM ÓLEO HOJE

Há muitos desvios praticados no pseudocristianismo da atualidade. Um deles é a unção de pessoas com óleo com os mais diversos objetivos, principalmente o de curar ou conceder algum tipo de poder espiritual.
Praticantes e defensores do costume insistem em dizer que há passagens bíblicas que ensinam unção com óleo e que há pelo menos uma (Tiago 5.14) que ensina a ungir os enfermos com óleo com a finalidade de cura milagrosa.
Nosso propósito neste breve estudo é verificar se realmente existe alguma autenticidade em tais afirmações, se há, de fato, algum respaldo bíblico para esse comportamento.

I. A ORIGEM DA UNÇÃO COM ÓLEO NO POVO DE DEUS
Em Êxodo 30.22-33 observamos que Deus estava estabelecendo as primeiras diretrizes para o seu povo que libertara do cativeiro no Egito e que colocara em uma peregrinação em direção à terra prometida. Estava estabelecendo mandamentos concernentes ao culto de um modo geral; o local onde seriam realizados os cultos e os comportamentos com respeito ao culto.
Dentre os mandamentos estava o de que fosse preparado um óleo que foi chamado de óleo sagrado da unção. Era um preparado específico que tinha uma fórmula específica ditada pelo próprio Deus a Moisés e não era, de maneira alguma, somente o óleo da oliveira ou azeite. Era, também, uma fórmula que não poderia ser copiada por ninguém sob pena de ser banido do povo de Deus.
O óleo da unção tinha objetivo definido e era o de santificar os elementos do culto, se consagrá-los completamente para Deus. Por isso, após a sua preparação, deveria ser aspergido sobre o tabernáculo, sobre os móveis, sobre o altar e sobre os sacerdotes. Tudo deveria ser santificado através da aspersão do óleo da unção. Mas havia uma proibição: o óleo da unção não poderia, de maneira nenhuma, ser aplicado sobre o corpo de alguém e somente os sacerdotes poderiam ser ungidos com o óleo.

II. O SIGNIFICADO DA UNÇÃO COM ÓLEO NO ANTIGO TESTAMENTO
No Antigo Testamento tudo o que envolvia o culto era simbólico e provisório. A caminhada pelo deserto, o tabernáculo, o altar, o animal sacrificado, os sacerdotes. Tudo figurava as realidades definitivas que seriam estabelecidas por Jesus no Novo Testamento, quando, então, envelheceria o Antigo Testamento.
A unção com óleo sagrado também era simbólica e provisória. O óleo seria preparado por Moisés, o libertador e seria derramado sobre os elementos do culto, que também era provisório e simbólico. O tabernáculo e a arca significavam a presença de Deus e o sacerdote era o mediador entre Deus e os homens, santificado para isso.
Os textos do Antigo Testamento que fazem referência à preparação e utilização do óleo sagrado da unção são muito definidos. No hebraico são utilizadas as palavras shemen (óleo), qodesh (separado para Deus, sagrado), e mishchah (consagração, unção para consagrar). A utilização dessas expressões aponta claramente para o fato de que a unção com o óleo sagrado significava que objetos, lugares e pessoas estavam sendo especialmente consagrados a Deus, separados em santificação para ele. Não existia qualquer significado de cura ou de atribuição de poder.
Só havia este significado quando a unção era realizada com o óleo preparado por Moisés de acordo com a fórmula e critérios estabelecidos por Deus. Quem se utilizasse do óleo de maneira diferente ou para ungir qualquer pessoa era banido do povo de Deus.
Há quem diga que o óleo significa a presença do Espírito Santo, no entanto não encontramos tal ensinamento ou afirmativa nas Escrituras.

III. O SIGNIFICADO DA UNÇÃO COM ÓLEO NO NOVO TESTAMENTO
Existem alguns textos no Novo Testamento que fazem referência a algum tipo de unção com óleo e através da análise desses textos podemos ter uma visão do significado dessa prática no Novo Testamento.
Primeiramente precisamos observar que em quase todos estes textos a palavra grega utilizada que é traduzida por óleo é elaion que designava o óleo de oliva, ou seja, todos eles fazem referência a uma aplicação de óleo de oliva, de azeite que era utilizado para combustível de lâmpadas, para cura de doentes, para ungir a cabeça e o corpo em festas e como artigo de cozinha. Não há qualquer referência à aplicação de óleo sagrado da unção, a não ser em Hebreus 1.9 onde o escritor sacro faz referência ao Antigo Testamento, à unção do Messias, utilizando a palavra elaion juntamente com a palavra crio que era utilizada para fazer referência à unção para consagração. Em todos os outros textos a palavra que é traduzida por ungir é aleipho que era utilizada para todo tipo de aplicação de óleo sobre o corpo. Dicionaristas indicam que aleipho era a palavra secular para ungir e que crio era a palavra sagrada ungir com a finalidade de consagração.
Depois, analisando cada texto à luz do significado da palavra elaion podemos compreendê-los e compreender o significado da utilização do azeite de oliva no Novo Testamento. Em Marcos 6.13 observamos que o azeite era aplicado para a cura dos enfermos como medicamento. É o mesmo sentido em Lucas 10.34 que faz referência ao tratamento dos ferimentos do judeu pelo bom samaritano, e é o mesmo sentido em Tiago 5.14 onde há o conselho para que o enfermo seja medicado em nome do Senhor. Em Lucas 7.46 Jesus estava repreendendo o judeu que o recebera em uma reunião festiva e não ungira a sua cabeça com azeite em sinal de amizade e boas vindas como era costume.
Quanto ao texto de Tiago 5.14 não há que se estranhar que seja ensinada a aplicação de medicamento em nome do Senhor, acompanhada de oração. No Antigo Testamento há o exemplo de cura de Ezequias, da parte de Deus, através da aplicação de medicamento que foi mandado preparar pelo profeta Isaías (2Reis 20.1-7).
Entendemos que no Novo Testamento não há a unção com óleo com a mesma finalidade que havia no Antigo Testamento. Não existe óleo da unção no Novo Testamento porque a fórmula feita por Moisés não poderia ser copiada e porque não existem os elementos de culto do Antigo Testamento no Novo Testamento. Não existe Tabernáculo, não existe altar, não existe arca, não existe sacerdote. Não existe nada disso para ser consagrado. O ungido de Deus já veio e todos os servos de Deus são consagrados através dEle. O culto não depende de lugares consagrados, nem de objetos consagrados, nem de sacerdotes. No Novo Testamento só encontramos unção com óleo com a finalidade de aplicação de medicamento.

IV. A PRÁTICA RELIGIOSA DA UNÇÃO COM ÓLEO NAS IGREJAS DE NOSSO TEMPO
Se não existe na Bíblia o chamado “óleo ungido”, se não há na Bíblia a aplicação do óleo da unção para cura milagrosa ou para aquisição de poder espiritual, onde estaria, então, a base para a prática da aplicação de óleos (os mais diversos) sobre enfermos e pessoas que desejam uma melhoria espiritual em suas vidas, como tem sido tão praticado no meio chamado evangélico em nossos dias? Certamente o que não é bíblico é de origem pagã.
A Igreja Católica adquiriu práticas do paganismo romano com todo o seu misticismo. Rituais místicos de purificação foram adaptados e nessa adaptação foi criado o sacramento da crisma, palavra que tem origem no grego críein, derivada de crio, que significa ungir no sentido de consagrar para Deus como vimos anteriormente. É uma prática que tem origem no catolicismo onde ainda persistem as práticas do Antigo Testamento mescladas com o paganismo romano.
A prática da unção com óleo foi trazida para o seio das igrejas evangélicas pelos adeptos do pentecostalismo, que baseiam suas crenças em símbolos, que buscam poder sobre espíritos malignos e enfermidades (que consideram geradas por espíritos malignos), que se aproximaram e se aproximam cada vez mais do primitivismo religioso. Tem sido introduzido nas igrejas batistas por líderes que são simpatizantes do pentecostalismo, que abandonaram a Bíblia como única regra de fé e prática, que interpretam a Bíblia conforme seus próprios interesses e que procuram exercer um domínio espiritual sobre seus liderados através de atos religiosos supostamente de poder.

CONCLUINDO
A unção com óleo sagrado foi uma prática estabelecida por Deus, no Antigo Testamento, com a finalidade de consagração de elementos do culto que deveria ser, em tudo, santificado.
Não é uma prática que tenha continuidade no Novo Testamento considerando que o culto do Antigo Testamento foi abolido na morte de Jesus Cristo com todos os seus elementos físicos, humanos e espirituais.
O texto do Novo Testamento registra a unção com óleo como uma prática de aplicação de medicamentosa (o azeite de oliva era considerado um medicamento eficiente para várias enfermidades).
Tanto no Antigo quanto no Novo Testamento não existe qualquer ensinamento a respeito da utilização de óleo com a finalidade de cura milagrosa ou de obtenção de algum tipo de poder espiritual.

Nota minha: Além de tudo isso, creio ainda que uma das razões da unção com óleo hoje não ser aplicável, é pelo fato de que no AT o óleo era um tipo do Espírito Santo que seria dado a nós, a igreja, sendo o Espirito o antítipo. Assim como os sacrifícios do AT eram o tipo do sacrifício de Cristo e Cristo o antítipo. No NT temos os antítipos, portanto não precisamos mais dos tipos. Temos o sacrifício perfeito e eterno de Jesus, (antítipo), não precisamos mais dos sacrifícios (tipos), transitórios do AT. Temos o Espírito Santo residindo em nós (antítipo), não precisamos mais do óleo (tipo) transitório do AT.

Pr Aramisio Borges 

FONTE

 


“Eu realmente só amo a Deus, na proporção em que amo a pessoa que menos amo” (Dorothy Day) 

Pr Aramisio Borges 

Natural de Goiânia, Go. Mora em SP desde 1983, servo de Deus a serviço de sua obra, Pastor há mais de 35 anos, teólogo, professor de Teologia e psicólogo; é responsável pela  MCDI - Ministério Cristão de Discipulado e Integração e pelo Instituto Exousia. Procura amar a Deus acima de tudo e ao próximo como a si mesmo, ama a família, a obra de Deus, seus amigos, a vida!  Na medida do possível procura ser amigo de todos e na mesma medida, procura ter paz com todos os homens.  Procurando sempre resolver todas as pendências. Tem procurado estar de bem com Deus, consigo mesmo e com o próximo. Tem um grande interesse pelo bem-estar do ser humano, principalmente no que se refere ao seu relacionamento com o Criador. Não é perfeccionista, mas gosta do melhor possível. Não é dogmático, mas gosta de ter uma posição definida em relação aos temas e doutrinas da Bíblia. Não chegou ainda, aonde quer, mas sebe onde deve chegar e esforça-se para isso. Gosta de se relacionar com o ser humano, procurando sempre o melhor nas pessoas, mesmo que possa se surpreender com pior. Sabe que toda pessoa rotulada como ruim tem um lado positivo e toda considerada boa, tem um, pelo ao menos um, aspecto negativo. Assim é com todos. Considera o conhecimento e o envolvimento com a Soberana Graça de Deus como imprescindível para o cristão e entende que, para viver nessa plena graça precisa, antes de tudo, viver no pleno mover do Espirito Santo. E sem essa Graça ninguém seria salvo, pois foi nessa base da graça que Deus, soberanamente, nos elegeu em Cristo antes da fundação do mundo. 

Devocional Diário

NOSSOS ARTIGOS

01. Conheça Um Pouco Mais Da Graça De Deus

02. Desventurado Homem que sou!

03. Tudo Sobre Nosso Pleno e Perfeito Perdão

04. Aprenda viver bem com Deus e com seus impulsos sexuais

05. O que é a Graça de Deus?

06. O que significa a Graça de Deus?

07. O Evangelho da Graça de Deus

08. O Significado de "Fim da Lei" em Romanos 10.4

09. A Maravilhosa Graça de Deus

10. Em que dia da semana Jesus morreu?

11. Ef 5.18-21

12. Duas formas pelas quais poderíamos ser justificados

13. Definição do Amor

14. Como Você Define o Amor?

15. Coisas Oferecidas em Sacrifícios aos Ídolos

16. Cinco Votos para Obter Poder Espiritual

17. Cientista prova a Existência de Deus

18. O Batismo e Plenitude do Espírito Santo - Parte  01

19. O Batismo e a Plenitude do Espírito santo - Parte 02

20. A agonia de Jesus na Cruz

21. A Unção Com óleo, hoje

22. A Terra que estava sem forma e vazia

23. A Soberania de Deus e Seus Eleitos

24. A  Soberania de Deus e os porqês sem respostas

25. A mente de Cristo em Nós

26. Estudos de Hebreus 6.4-8

27. Fé Como Um Grão de Mostarda

28. Mulher Vivendo o Fruto o Espírito

29. O Consolo de Deus na Hora do Luto

30. O Fruto do Espírito Santo e o Caráter Cristão

31. O homem foi criado para viver prazer profundo

32. O Padrão Bíblico de Avivamento

33. O Perdão dos Pecados

34. O que Paulo está falando em Romanos 3.1-8?

35. O Salvo nunca será Desqualificado

36. Os deuses Estranhos da Ciência Moderna

37. Por que não há mais apóstolos hoje?

38. Precisamos mais do conhecimento do Senhor

39. Quando tudo na vida se trava

40. Verdadeiramente Livres para viverem

41. Todo sucesso na vida cristã começa e depende do Espírito Santo

42. O Único Mandamento para nós, Hoje

43. O Jejum é para os nossos dias?

45. Seu cérebro tem um botão “delete” capaz de apagar memórias e pensamentos indesejáveis e aqui está como usá-lo >>>Baixar

46. O que é a verdade?

47.Tudo Sobre Jesus